Em 60 dias São Roque registra dois tremores de terra


Em 60 dias São Roque registra dois tremores de terra


Em um intervalo de um mês, moradores de São Roque, sentiram tremores de terra, o que chamou a atenção.


O primeiro foi sentido no dia 17 de abril e a magnitude foi de 2.0 na escala Richter, que vai de 1 a 10.


Já o segundo foi na sexta-feira (26), com magnitude 1.8, segundo o Centro de Sismologia da Universidade de São Paulo.


O técnico de sismologia da USP, José Roberto Barbosa, explicou que o tremor, também chamado de "sismo" por especialistas, acontece devido à movimentação das placas tectônicas e não há uma razão específica por ter ocorrido duas vezes na cidade.


"Esse tremor acontece devido à movimentação das placas tectônicas, que, no caso do Brasil, estão localizadas nas bordas e não no centro. São tremores comuns e que são sentidos de maneira mais intensa pelos países que estão mais próximos das placas, porém, acontece de sentirmos por aqui, apesar de ser numa escala menor", explicou.


Além disso, o especialista também explicou que os tremores são registrados através do site do Centro de Sismologia da USP por pessoas que sentiram estes abalos sísmicos em suas cidades.


Os registros são enviados aos especialistas, que analisam e estudam o ocorrido.


A autônoma Mag Souza, de 54 anos, contou que sentiu o tremor quando estava em casa.


Ela disse que ouviu um barulho alto por volta das 16h30 e, em seguida, sentiu a casa tremendo.


"Eu estava na cozinha e ouvi um estouro bem alto e ao mesmo tempo a casa tremeu. Pensei que fosse algum botijão de gás que tivesse explodido na vizinhança porque o barulho foi alto", disse.


De acordo com José, os barulhos são comuns antes dos tremores acontecerem.


"São as ondas sonoras emitidas no interior da terra pelo movimentar das placas, isso provoca um som.


A ordem é exatamente essa, primeiro o barulho e em seguida o tremor.


Quanto mais profundo o tremor, mais rápido o barulho chega à superfície", explicou


Fonte: G1 Sorocaba